10 de março de 2009


as mãos criam o mundo
devagar

puxam da terra as estrelas
a pequenas coisas
que nos ajudam a sonhar

as mãos fiam e fiam
tudo o que nos há-de
cobrir

as roupas com que dançamos
o suor com que lavramos
os campos por florir

as mãos guardam os mistérios
as memórias e as cores
da tradição

guardam o nome das coisas
como quem protege um beijo
no coração

as mãos criam o mundo
devagar

e hão-de ser sempre elas
dobando e alando o caminho
com que havemos de perdurar

2 comentários:

adelaide amorim disse...

As mãos são quase tudo, não é mesmo?
Belo poema, Daniel. Um beijo.

Gisela Rosa disse...

lindo poema, gostei muito. bela a imagem também, um abraço