11 de março de 2010


imagem de piinnkkii



o que faz de mim um bom ou um mau poeta?
o grande poeta dizia que como ele havia cem mil génios se concebendo em sonhos
e eu nem isso

os meus sonhos são mais simples:
tenho um pomar libertado ainda ontem no meu quintal
fruta que há-de dar sombra e água na boca do chão

contudo sou poeta
dizem-me que ando distraído e perdoam-me por isso
e por causa disso também me sorriem como se eu fosse anormal
acenando às nuvens ou às flores ou a outra coisa
que prenda o olhar dos distraídos

bom ou mau? quem diz afinal?
o próprio poema quando se perfila contra o silêncio
o blogue do crítico a selecção do jornal
ou o telefonema do editor a dizer que a dívida está paga?

6 comentários:

Lídia Borges disse...

Muito bom! Diria eu, se fosse o poema.

L.B.

daniel gonçalves disse...

Obrigado Lídia!

Anónimo disse...

Eis o que acontece
quando o Poeta tece
o poema no silêncio
do seu casulo:

Grava na folha um sulco,
como se cada palavra
fosse a lâmina
precisa
dum arado.

O Poeta, Penélope,
ou aranha tricotando
a sua teia
num croché
de seda
sempre dum avesso
inacabado.


ANA LAMEGO

Com um beijinho para ti, Daniel.

Anónimo disse...

Quem és? Quanto és?
O Poeta é o único ser capaz de estar ao pé dos pássaros à noite. Capaz de fazer calar o Vento.
Dizem que tem um Deus dentro do peito que o torna mais perfeito que os outros, humanos. Os outros apenas vêem a Chuva; o poeta vê o Sol que a Chuva traz no ventre.
Esse ser tão grande e tão pequeno: o poeta é o único a amar a Chuva, a apaixonar-se pelo Sol, sem trair, vez alguma, a eterna e ímpar (de beleza singular) companheira: a Lua.
Mas dizem ainda que o poeta sofre porque é o único a quem os deuses confiam todos os erros da humanidade para que ele faça do erro melodia.
Eu gostava de ser poeta.

Um abraço,
Sandra Ferreira

daniel gonçalves disse...

Quanto a poeta não sei... mas a pessoa, isso sim, sou melhor por cause de vocês. Obrigado pela partilha!

Beijinhos do Daniel.

Paulo disse...

Um excerto de uma música dos Mão Morta diz:

"Vinha pela estrada fora a Liberdade
Encoberta pela noite das sombras
Sabes quem eu sou? perguntou ao candeeiro
És uma miragem
E pertences ao livro dos sublinhados
provocadores
Que são os poetas
Almas sonhadoras"

Paulo Eduardo Campos