19 de abril de 2008



(no dia do meu aniversário)


caminho sozinho e encontro de frente todo o meu tempo gasto
o que choro de tristeza dá para molhar as calçadas todas das cidades do mundo
mas não estou infeliz

há apenas esta gota de revolta no algodão frágil da felicidade
a nódoa cinzenta de estar sozinho
no lugar que dá para a beleza das coisas mais doces

há apenas este silêncio semibreve como uma canção de inverno
trazendo frio aos pássaros e às pedras das margens do pensamento

há apenas esta solidão que fere e que me fecha a boca
a mesmíssima boca de onde esperas os meus beijos
e os meus poemas e as minhas promessas de amor

que dirás quando tudo se calar?

5 comentários:

Akinol disse...

Warning! See Please Here

João Ricardo Lopes disse...

Querido amigo, antes de mais, mil perdões por ter esquecido o teu aniversário!

Depois, os meus parabéns! Pela data, pela poesia, pelo prémio recente com que foste distinguido (e muito justamente, diga-se)!

A tua poesia, a que me faz pensar, a que embala, a que perfura, é uma dádiva, mesmo se por instantes possas lamentar que nela se prefigure «... apenas este silêncio semibreve como uma canção de inverno»!

Um abraço enorme para ti!

Sara Micaela disse...

Olá!! Não sabia que o professor tinha um blog!

Adoro os poemas.

Sara Micaela

O'Sanji disse...

Daniel
E mais uma vez chego atrasada.
Desculpa. Mas... ainda venho a tempo de deixar um beijinho de parabéns, não é?
Votos que as palavras continuem a correr soltas e que possa ler muitos livros teus.
Beijo

jackpot disse...

I agree with you about these. Well someday Ill create a blog to compete you! lolz.