20 de fevereiro de 2009


não digo a cor

que essa tem a sua asa solta no mar

por mais que uma ilha seja feita de flores

ou de pedras ou de torpor

 

não digo a cor

que a noite também a guarda

por mais que durmamos no relento do cansaço

e um anjo se tenha prometido na carne do amor

 

não digo a cor

que o vestido com que te foste embora

ficou nas palavras com que te acenaste

e no silêncio sussurrado ao pormenor

 

não digo a cor

digo o espaço digo o imenso horizonte

digo o soluço que me prende as mãos

e no lugar da palavra deixa um rumor



(primeira versão: para o joão pinto)

2 comentários:

adelaide amorim disse...

Lindo poema, Daniel.

Inês disse...

Um belo poema ilustrado por um quadro de um dos pintores que mais admiro.
Vou voltar a este prazer de lê-lo.